Uma quadrinista marroquina em Manaus

qua, 03/01/2018 - 14:50
Publicado em:

Malika Dahil Aguiar é conhecida como a primeira mulher quadrinista do Marrocos e mora há quase dois anos em Manaus, no Amazonas, onde desenvolve projetos conjuntos em desenho com seu marido, o brasileiro Eunuquis Aguiar.

 

Ela ficou conhecida como a primeira quadrinista mulher do Marrocos e hoje o seu local de desenho é Manaus, no estado do Amazonas, no Norte brasileiro. Essa é a história de Malika Dahil Aguiar, uma desenhista marroquina cujo trabalho ganhou destaque no seu país de origem e na Europa, e que resolveu fazer do Brasil a sua terra depois de se casar com o brasileiro Eunuquis Aguiar, ele também dedicado às histórias em quadrinhos. 

Malika vive há quase dois anos em Manaus, onde já desenvolveu um quadrinho conjunto com o marido, o Jouj Opostos. Nele, a personagem Assia, uma marroquina, tem o ego elevado por conta da sua beleza, mas tudo muda quando ela encontra o maior bruxo do Marrocos, que a transforma no que ela mais detesta.

Na capital amazonense, além de fazer seus quadrinhos, Malika também trabalha como chargista para o jornal Amazonas Em Tempo. A marroquina e Eunuquis participam de eventos da área de ilustração em Manaus e expuseram seus trabalhos na última Comic Con Experience (CCXP), feira de conteúdo de entretenimento que ocorreu em dezembro, na cidade de São Paulo.

Malika conta que desde sua chegada ao Brasil, passou um ano se dedicando apenas ao aprendizado do português. Ela nasceu numa cidade pequena do Marrocos chamada Oualidia, onde viveu até os 23 anos de idade com os seus pais e quatro irmãos. Depois se mudou para Rabat, capital marroquina, para entrar no mercado de trabalho. 

Em entrevista à ANBA, a quadrinista conta que gostava de desenhar desde pequena como qualquer criança, mas que aos 14 anos começou a estudar desenho na Escola Secundária Mohammed V, em Essaouira. Foram três anos até a conclusão de curso e a oportunidade de seguir os estudos na Escola de Belas Artes, em Casablanca. 

Malika teve que interromper os estudos em Casablanca porque não conseguia se manter financeiramente na cidade, mas ficou em contato com o professor de quadrinhos, Abdelaziz Mourid, que a ensinava quando preciso. “Fiz com ele o meu primeiro quadrinho, La traversée”, conta. Foi esse trabalho que a tornou conhecida como a primeira quadrinista mulher do Marrocos.

O livro La traversée é uma obra conjunta de vários autores, com quadrinhos que tratam da tentativa de travessia ilegal de jovens de países africanos para o continente europeu. La traversée quer dizer em português “A Travessia" ou “O cruzamento”. O professor Abdelaziz Mourid morreu no ano de 2013.

A desenhista fez outros quadrinhos depois desta obra. Com “Lamsari et le trésor des oudayas” ela foi a primeira marroquina a lançar um quadrinho na França, em 2014. Em tradução livre, o título diz “Lamsari e o tesouro de Oudayas” e a obra conta a história de Lamsari, que tenta desvendar um roubo de artefatos arqueológicos na cidade de Oudayas. Da rotina de quadrinista no Marrocos também faziam parte o trabalho em uma empresa de animação e a participação em eventos e exposições.

Mas o rumo da vida de Malika começou a mudar depois que ela conheceu um grupo de quadrinistas brasileiros no Marrocos. Eles faziam um livro sobre as lendas de diversos países e pediram que ela desenhasse e falasse sobre a lenda mais conhecida no seu país. O criador do livro era Eunuquis Aguiar e ela seguiu em contato com o quadrinista, que também é enfermeiro, após o término do trabalho.

Foram vários meses de conversas sobre as culturas do Marrocos e do Brasil. Depois veio uma proposta de casamento. Inicialmente Malika achou ser impossível aquela união por causa da distância e da religião – ela é muçulmana e ele cristão. Quando Eunuquis resolveu viajar ao Marrocos para encontrá-la, ela quis fazer uma surpresa e apareceu antes no Brasil. “Três meses depois que eu cheguei, casamos”, conta.

A família da marroquina aceitou o casamento. “Ele é uma pessoa maravilhosa”, afirma, destacando as diferenças culturais em relação aos homens marroquinos. Eles formam hoje uma dupla de trabalho com o projeto “Dois Traços”, além de desenvolverem suas atividades profissionais paralelas. Aguiar é ilustrador na reitoria da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

quadrinhos
Jouj Opostos é quadrinho do casal